segunda-feira, fevereiro 25, 2008

Ridículo




Não posso deixar de me referir aos momentos mais ridículos e constrangedores a que assisti na exposição das camálias, que me valeram estas duas fotografias.

Francisco Álvares, presidente da Câmara Municipal da Povoação, andou de um lado para o outro na tarde de Domingo, com um fotógrafo atrás de si, a cumprimentar todos os que conseguia e fazendo-o a um volume certamente superior a 250 decibéis.
Se o homem tivesse ido com a Câmara toda atrás, de modo oficial, a presença do dito fotógrafo até era compreensível. Agora estando ali aparentemente a título individual e pessoal, numa operação de charme político para a fotografia... há quem lhe chame markting político, eu acho que não passa de uma enorme demonstração de vaidade.
Hoje em dia governa-se para a fotografia. E são esses mesmos vaidosos, digo políticos, os primeiros a criticar o Estado Novo (essa sua grande almofada) por ter colocado fotografias de Salazar nas escolas. Os políticos de agora gostam mais da sua fotografia nos meios de comunicação. Resumindo, é exactamente a mesmíssima coisa. Com a agravante da colocação das fotografias de Salazar ter sido um acto assumido e não uma tentativa de instrumentalização dos meios de comunicação social.
Enfim, fazendo minhas as palavras desse indivíduo que desapareceu tão depressa como apareceu, Dias da Cunha, a culpa é do sistema (político).

3 comentários:

Anônimo disse...

Caro Pedro,
até pode ter razão em relação a esta situação mas acho que(porque, mesmo sendo bombeiro, não ponho a minha mão no lume por nenhum politico) está a "bater" naquele que menos utiliza a comunicação social a seu favor e que até não dá muito nas vistas. Se falasse nos autarcas da Ribeira Grande, Ponta Delgada ou pior - de Vila Franca, ai concordava plemanente consigo.
Cumprimentos

Pedro Rocha disse...

Sim, realmente concordo. Esqueci-me de referir no post que este tipo de estratagema não é exclusivo do autarca em questão. Nestas questões ele até deve ficar muito atrás de outros.
De qualquer modo, o mal é da generalidade da classe.

SB disse...

o autarca da porvoação não está ali a título pessoal. A exposição das camélias é um evento promovido e organizado pela sua autarquia ;)